Jornal O Serigráfico

* Thomaz Caspary

 

Outro dia, andei batendo um papo com um amigo que já não via há algum tempo, aquele papo bacana com uma pessoa querida que apesar de não nos encontrarmos com frequência, quando encontramos parece que nada mudou…

Pois este amigo é uma destas pessoas que transmite uma sabedoria simples, de uma maneira muito especial e cativante. Em um determinado momento do nosso papo, surgiram alguns assuntos referentes a outros amigos em comum e sobre a situação política do país, a crise no Senado e sobre a dificuldade que as pessoas têm em partir para a mudança.

Foi aí que surgiu uma questão bastante interessante sobre como as pessoas se comportam em relação a circunstâncias como estas. Ficam acomodadas ou incomodadas? Por características intrínsecas, o ser humano normalmente costuma ser extremamente resistente a mudanças. Principalmente quando atinge certo patamar na vida, seja social, financeiro, idade avançada, enfim, há diversos motivos que acabam por nos deixar paralisados, acomodados em nossa zona de conforto.

Conforto é uma palavra deliciosa. Conforto nos remete diretamente à ideia de um edredom branco, bem fofinho e cheiroso no qual nos afundamos nos finais de semana. Mas experimente colocar um “zona de” na frente do conforto para vê-lo estragar automaticamente.

É engraçado pensar quantas vezes nós usamos desculpas esfarrapadas para esconder nossa falta de coragem. Não vou me candidatar a esse curso porque não tenho tempo (e não por medo de não ser aprovado), não vou fazer essa viagem porque não quero gastar dinheiro (e não por medo de avisar no trabalho que vai ficar uma semaninha fora). A vida é povoada de nãos, de medos, de riscos. E sair da zona de conforto é trabalhoso. Custa coragem, custa tentativa, custam erros, alguns empregos, alguns relacionamentos, algumas certezas. Mas a zona de conforto, frequente e ironicamente, é bastante desagradável. É o trabalho das 8 às 18. O trânsito na ida e na volta. É a mesma comida, a mesma coisa na televisão, e podemos enumerar dezenas de outros exemplos. Pense e encontrará.

A mudança só acontece quando nos sentimos incomodados com algo. Quer exemplos? A pessoa só começa a fazer uma dieta de modo correto quando se sente incomodada com a parte estética ou as condições de saúde. Só busca uma oportunidade nova de trabalho quando se sente incomodada com as condições de trabalho, com um fato ocorrido ou com a questão salarial em seu emprego atual. Uma coisa é fato: Você só conseguirá o que realmente deseja quando se der conta que é a única pessoa que pode efetivamente tomar atitudes que o levem até onde você quer ir. Basta apenas que você defina se prefere ficar acomodado ou incomodado com o rumo que sua vida tomou.

Faz sentido acordar finalmente, abrir a janela, colocar a cara no sol. Porque a vida tá lá fora. E ficar sempre aqui dentro é uma escolha. Uma escolha triste, mas possível e até bastante confortável. Esse é o perigo. Vamos pensar nisso e refletir. Vale a pena!

 

* Thomaz Caspary é Consultor de empresas gráficas e diretor da Printconsult Ltda. – (11) 3167-6939 – tcaspary@uol.com.brwww.printconsult.com.br

Comente: