Jornal O Serigráfico

Assim começa nossa entrevista com Márcia Mendes, gerente nacional da Marabu do Brasil para o mercado de tampografia e serigrafia, ao ser questionada sobre qual dica daria para quem está começando no ramo serigráfico e tampográfico.
Nascida na região metropolitana de Santo André, aos 12 anos se mudou com a família para o Vale do Paraíba, em Pindamonhangaba, onde se formou em magistério. Lecionando no Colégio Externato São José, buscou na formação acadêmica seu entendimento no trato com as pessoas, se atentando não somente com a formação pedagógica, mas também com a moral.
“Não adianta somente a informação educacional, muitas vezes precisamos ir mais fundo, mudar o aluno até mesmos em seus hábitos de higiene. Transformar um jovem é tarefa árdua”, comenta.
Buscando novas perspectivas, começou em paralelo a fazer faculdade de Comunicação Social na UNITAU, em Taubaté, logo em seguida já iniciando seus estágios no Jornal Tribuna do Norte e na Rádio Difusora FM99, ambos em Pindamonhangaba.
Após sua nova graduação concluída, e carregando no currículo alguns cursos voltados para a área administrativa e comercial, em 1994 se arrisca a concorrer a uma vaga numa multinacional japonesa recém-instalada na cidade, a Nippondenso, assumindo, desta forma, a função de assistente administrativa e se desligando do colégio onde lecionava e do jornal e rádio onde estagiava.
Quatro anos depois, assume um novo desafio ao atuar como coordenadora de vendas na Fabinject Indústria de Plásticos Ltda. Mas foi somente depois de mais 3 anos que, ao coordenar a área comercial da Feeling Structures de Alumínio, conseguiu acompanhar de perto o mercado de comunicação visual, nascendo ali uma curiosidade por este segmento, onde permaneceu por dois anos. ,
E foi então que, em 2003, sem conhecer nada sobre tintas, foi convidada a trabalhar na Dubuit Color. Começava naquele momento sua jornada neste ramo que hoje tanto faz parte. Permaneceu ali por um breve período, pois logo foi chamada de volta pela Feeling Structures de Alumínio, permanecendo por mais 4 anos, desta vez como supervisora de vendas.
As experiências se somaram e, um ano depois, de volta à Dubuit, assumiu a gerência comercial, no mesmo momento ampliando a participação da marca no mercado e participando de todo o desenvolvimento na fusão com a Tecnopaint, que passou a se chamar Dubuit Paint. Aprimorando o departamento comercial da empresa, Márcia manifesta um vasto interesse pelas técnicas de impressão e por métodos para um resultado cada vez mais satisfatório, se aprofundando no conhecimento da serigrafia. Para tanto, conviveu com ícones do mercado, aprendendo e ensinando, dedicando tempo e suor na busca por melhorias. Contando sempre com a ajuda de técnicos, diretores e trabalhadores do mercado, a cada momento se encantou com a versatilidade do ramo serigráfico e com a beleza dos trabalhos executados com tanta maestria.
Foram 8 anos de dedicação e aprendizado, até receber um convite mais desafiador, pois envolvia mudanças geográficas. Em junho de 2016, ocupa a vaga de gerente comercial da Marabu do Brasil na linha serigráfica e tampográfica. Muda-se então para São Bernardo do Campo, partindo para novos aprendizados, a fim de um crescimento pessoal e profissional, onde permanece até os dias atuais.
“Surge um novo desafio em minha carreira, o mercado serigráfico sempre foi masculino. Não é fácil, nós, mulheres, termos acesso, sermos aceitas como conhecedoras do mercado, como pessoas que podem ajudar no desenvolvimento do trabalho, levar informações técnicas cruciais que podem ajudar e muito na aplicação e qualidade das peças produzidas. Mesmo com dificuldades, a serigrafia nunca vai acabar, é um mundo encantador. A cada momento ela se reinventa, se adapta às novas tecnologias que surgem no mercado. Quando do advento das impressoras digitais, houve um grito geral no mercado dizendo que a serigrafia iria acabar, mas, contradizendo esta afirmativa, continuamos firmes, a cada dia surge um novo campo de aplicação e seguimos em frente”, diz com orgulho.
Reconhece seu progresso devido ao suporte recebido no decorrer de todos os anos por conhecedores do mercado somado à confiança e viabilidade fornecida por seus consumidores:
“Amo muito o que faço, e me dedico dia a dia para aprender algo novo, para aprimorar meus conhecimentos. Minha evolução se deu com o apoio e a paixão de profissionais da área, e das oportunidades recebidas pelas empresas onde comecei como coordenadora até chegar ao nível gerencial. Muitas pessoas fazem parte desta história, mas fundamentalmente o apoio do meu marido Aristides de Oliveira Neto, colegas de trabalhos com trocas de experiências e conhecimentos: Sérgio Horta (in memorian), Sheila Andrade, José Eduardo Arantes, Marlene Soares , Hamilton Britto, Lucio Nicolau, Valter Vasti, Eduardo Gallo, Fernando Góes, entre tantos outros. E com clientes dos mais diversos segmentos, sempre abrindo suas empresas para realização do meu trabalho.”, finaliza Márcia.

Comente: