Jornal O Serigráfico


Essa área de comunicação visual passou por uma grande mudança e, nos dias atuais, adaptou-se positivamente às demandas atuais, apoiada, principalmente, pelas boas tecnologias de impressão digital.
Quando nos referimos a esse segmento, imediatamente pensamos em sensações de alegrias e prazeres ao ser humano. Os designers pensam assim ao criarem suas peças, pois estas trarão sentimentos ao consumidor ao receberem a visualização de uma determinada informação ou uma marca; portanto, ideias extremamente criativas e até inusitadas. Essa forma de trabalho vem ganhando força aliada à nova geração de pessoas que buscam antecipar necessidades e que estão preocupadas com o meio ambiente.
Fazem parte desse universo de impressão produtos como: outdoors, PDV- pontos de venda, totens, adesivação de vitrines, faixas, banners, envelopamento de veículos, objetos de interiores, sinalização de construções civis, embalagens, sacolas promocionais e brindes. Um universo de objetos que precisam se comunicar e, ao ter um descarte correto, ou seja, voltar ao meio ambiente com o mínimo impacto ao ser produzido e, preferencialmente, zero impacto ao ser descartado, tornará sua empresa mais competitiva e ajustada ao futuro.
Conhecendo o processo produtivo e todos os materiais que farão parte da elaboração do produto final, imaginamos que, da concepção do projeto à distribuição, podemos realizar muitas ações sustentáveis. E, para fazer isso, basta listar passo a passo toda a sua pré-impressão, impressão e pós-impressão, verificando o que cada material impacta ao meio ambiente.
Há uma infinidade de substratos, já que as impressoras hoje permitem uma flexibilidade e uma versatilidade em trabalhar com diferentes mídias, como vinil, papéis, madeiras, diversos plásticos, metal, vidro, tecido e, cada vez mais, inovando em outros materiais.
Conhecer todas as tintas, entre todas, como as eco solventes, látex, UV e água, juntamente com as opções de software para organizar e tornar o trabalho mais rápido, são algumas opções para a transição à linha ecológica.
O conhecimento, na pós-impressão, ao adequar o acabamento perfeito para o seu material, que resultará no produto, facilita as ações amigas do meio ambiente. As curas LED e UV são de alta tecnologia, tornando o seu projeto sustentável.
Como exemplo de melhorias sustentáveis em matérias-primas, os fabricantes de materiais translúcidos têm investido muito em pesquisas de ponta para que as propriedades de transmissão de luz sejam cada vez mais elevadas, sendo necessário o menor número de leds em seu resultado final de iluminação. A isenção de PVC (policloreto de vinila – plástico halogenado) nos filmes de comunicação visual é outro avanço em matérias-primas sustentáveis. Sabe-se hoje que o PVC, embora tenha sido há muitos anos usado em larga escala, também é um inimigo do meio ambiente. A incineração de materiais halógenos como flúor, cloro, bromo e iodo geram gases fortes com ácido clorídrico ou fluorídrico, muito tóxicos à saúde humana. Segundo o portal E-cycle: “os problemas gerados pelo PVC devem-se ao seu processo de fabricação e ao seu descarte. As substâncias geradas ao longo dos processos de fabricação do PVC (dioxinas, furanos e PCBs — bifenilas policloradas) são todas persistentes no meio ambiente (resistem à degradação natural), biocumulativas (penetram nos tecidos dos seres vivos) e tóxicas, podendo causar câncer, disfunção no sistema endócrino, lesões no cérebro, entre outras complicações. Dessa forma, é essencial haver normas de segurança no processo produtivo e cuidados para lidar com resíduo perigoso”.
Além do PVC, outro problema com os plásticos é a isenção de ftalatos — plastificantes que tornam os plásticos mais flexíveis. Essa família de produtos químicos está se tornando mais regulada globalmente, devido a riscos de saú-de as¬so¬cia¬dos a eles.
O benefício de utilizar matérias-primas sem PVC é ter ainda 10% de sua composição provinda de materiais de fontes renováveis e utiliza 60% menos solvente durante o processo de fabricação em comparação com um processo usual de fabricação de filmes PVC. Esses produtos são mais resistentes a riscos e se conformam mais facilmente em su¬per¬fí¬cies complexas. Apresentam alongamento de 150% e podem ser utilizados desde um envelopamento automotivo até su¬per¬fí¬cies texturizadas, como paredes e muros, com aplicações até 50% mais rápidas e suas remoções são mais fáceis, pois esses novos materiais também são mais resistentes ao rasgamento.
Dessa forma, sustentabilidade apresenta-se na comunicação visual com grande impacto favorável. Podemos ser mais conscientes e o nosso negócio sustentável, basta abraçar a ideia. A conquista de novos e ótimos clientes virá como resposta a essa mudança. Esse é o futuro.

Silvia Regina Linberger dos Anjos
www.maqtinpel.com.br

Comente: