Jornal O Serigráfico

A cada dia observamos um aumento na produção industrial, consequência da crescente evolução tecnológica. Com este progresso, empresas de comunicação visual estão optando por adquirir seus próprios equipamentos, e um dos mais utilizados e necessários neste meio é o equipamento de corte a laser. Devido a possibilidade do seu uso em uma infinidade de materiais e seu baixo índice de desperdício, a obtenção deste maquinário vem se tornando o melhor custo/benefício na produção em grande escala. Já na produção em baixa escala, se a empresa não tiver um local apropriado, climatizado e com as adequações necessárias para o uso, o ideal seria contratar um serviço terceirizado.
Neste segmento, o corte a laser traz grande inovação, possibilitando diversificação em relação aos concorrentes que trabalham apenas com impressora. Viabiliza corte de figuras complexas em uma grande variedade de materiais com excelente qualidade, rapidez e alta precisão, reduzindo assim o índice de perda de material. A maioria das máquinas de pequeno e médio porte são alimentadas manualmente, já na grande indústria existem modelos que dispensam a mão de obra.
É utilizada alta tecnologia para proporcionar um corte preciso, rápido e de excelente qualidade, além de ser um processo silencioso. Portanto, para se chegar a uma usinagem exata, que retrate detalhadamente o projeto que será utilizado como base para o corte, emprega-se um software chamado CAD/CAM, que reduz a necessidade do gerenciamento, mas, para que não haja erros e possível retrabalho, se faz necessário que o layout da peça a ser cortada tenha uma margem mínima de 5 mm.
A capacidade do corte depende do tipo de material e da potência do tipo de laser. Quanto mais potente, mais espesso poderá ser o material a ser cortado. Para as máquinas com potência até 200w, é recomendado o corte de materiais até 20mm de espessura. Já uma máquina de 5000w tem a capacidade de cortar aço carbono com até 50mm de espessura.
Estas máquinas são altamente versáteis, aceitando diversos tipos de materiais tanto para o corte como para a gravação, como: papel, cartolina, cartão prensado, cartão canelado, MDF, cortiça, acrílico, entre outros. Já o vidro e mosaicos cerâmicos podem ser utilizados apenas para gravação.
Na gravação a laser, remove-se parte do material da superfície deixando uma área de baixo relevo de forma limpa e efetiva. É possível gravar qualquer formato.
Podemos usar a mesma máquina que se usa no corte. O que vai diferenciar é determinarmos o tipo de processo e definirmos a potência e a velocidade do laser para que o feixe de luz não exceda a peça a ser gravada. A gravação é muito utilizada na indústria dos brindes.
Veja abaixo uma tabela explicativa:

Alguns materiais quando expostos ao calor desprendem substâncias tóxicas e, devido a isso, não são indicados para o corte a laser. Outros podem danificar a máquina de corte. Alguns exemplos destes materiais são: vinil (PVC, PCV e EVA), fibra de vidro e de carbono, poliéster, policarbonato, metais e superfícies espelhadas.
Na comunicação visual, utiliza-se os materiais permitidos em: displays, letras caixa com e sem iluminação, placas, totens, letreiros luminosos, expositores pop-up e na indústria de brindes.
Hoje, existem várias empresas que trabalham com o fornecimento destes equipamentos e, para agenciar cada dia mais clientes, algumas delas, como é o caso da Engraver, distribuidora de máquinas de corte a laser, enfatiza o atendimento ao cliente no pós-venda e promove treinamentos e suportes técnicos para quem está começando na área. “Para quem quer começar neste mercado, oferecemos uma consultoria para o negócio, onde auxiliamos a escolha da melhor máquina para o perfil do cliente, de acordo com os materiais que ele pretende cortar”, comenta Luan Rodrigues, consultor técnico da Engraver.

Laser é abreviação em inglês de Light Amplification by Stimulated Emission of Radiation, traduzido para o português: amplificação da luz por emissão estimulada de radiação. Desta forma, amplia a energia da luz, aquecendo o material e fazendo com que ele evapore.
Tipos de laser:
*Laser de gás :
Laser de CO₂ (gás laser)
É o tipo de laser mais utilizado. Estimulado eletricamente por uma mistura gasosa de dióxido de carbono, possui um comprimento de onda de 10,6 micrómetros. O material mais utilizado com este tipo de laser é o plástico e o caracterizado como não metálico. Considerado com alto índices de eficiência e qualidade de eixo.
*Laser sólido:
Laser de fibra
Por meio do chamado laser semente, gera um eixo, amplificado com fibra de vidro, fornecido com energia vinda de diodos de bomba. Com um comprimento de onda de 1,064 micrômetros, produz um diâmetro focal em diminuto. É até 100 vezes mais intenso em comparação ao laser de CO₂, emitindo a mesma potência média.
Por meio do tratamento térmico de metais, é adaptado para marcação e gravação em metais e em plásticos.
Seu índice de manutenção é mínimo, apresentando uma vida útil de aproximadamente 25.000 horas em funcionamento.
Laser de cristal (Nd:YAG, Nd:YVO)
Nesta categoria temos: Nd: YAG (granada ítrio alumínio dopado com neodímio) e Nd: YVO (dopado com neodímio ítrio orto-vanadato). Tem o mesmo comprimento de onda do laser de fibra e é, portanto, também adequado para a marcação de metais e plásticos.
Em comparação ao laser de fibra, este tipo de laser inclue diodo bomba relativamente caro, que deve ser substituído após aproximadamente 8.000 a 15.000 horas de funcionamento. O próprio cristal também apresenta vida útil mais curta.

Agradecimento

Luan Rodrigues , consultor técnico

Engraver Solution Provider

Mara de Paula Giacomeli
Jornalista e editora do jornal O Serigráfico
mara@oserigrafico.com

Comente: