0 Comments

O processo que marca presença na sua vida

 

Como o próprio nome já diz, corte e vinco é um processo de corte que usa facas gráficas para cortar e vincar diversos materiais. Utilizado para viabilizar cortes especiais em série, o corte e vinco tem ainda uma grande vantagem sobre outros processos, como o laser, por exemplo, de poder serem aplicados os vincos para a dobra de embalagens, além de oferecer maior capacidade de produção, já que facas múltiplas – onde são cortados vários produtos em uma só operação – produzem muito mais que o processo a laser e sem a emissão de gases ou fumaça.

Seguindo um desenho ou modelo fornecido pelo cliente, gera-se um desenho fiel do produto, que é aplicado em uma base de madeira compensada de alta qualidade. A placa de madeira é serrada seguindo esse desenho, a serra deixará uma abertura na madeira onde serão encrustradas as afiadas lâminas de aço – para corte e as lâminas de vinco – que são lâminas cegas (ou sem fio), para apenas marcar o substrato, curvadas e dobradas seguindo o desenho do produto. Como as lâminas são um pouco mais altas que a madeira,  resultará em um molde de lâminas aparentes, prontas para o corte e vinco do produto encomendado.  Essa faca, já pronta, receberá sobre ela o material a ser cortado. A faca e o material a ser cortado passam por dois rolos de contrapressão de um lado da máquina. Do outro, o material sai cortado e/ou vincado devido à pressão que sofreu entre a faca e os rolos. Basta então retirar o material e colocar outra placa, pressionar novamente e assim por diante, para assim produzir uma infinidade de embalagens ou outros produtos.

O sistema de corte e vinco é utilizado principalmente na confecção de embalagens, mas o processo é bem versátil e possibilita outras aplicações. Podem ser cortados e vincados materiais como peças moldadas em vacuum forming, plástico, PVC, papelão, krafs, duplex, borracha, EVA, couro, feltro, espuma, cortiça, amianto, tela de arame, lã de vidro, alumínio, laminados plásticos, magnetos, carpete, corvim, lixa, entre outros, dando origem a diversos produtos, como caixas  em cartão duplex, envelopes e embalagens em geral, chinelos tipo havaianas ou descartáveis, carteiras, bolsas e bolas de futebol em couro ou laminados plásticos, brinquedos e outras utilidades em E.V.A. , imãs de geladeiras em PVC e magneto,  caixas  em papelão grosso para pizza, bolos, bebidas e outras mais, espumas para banho, papéis delicados para a confecção de convites para casamentos, forminhas de doces, para bem casados e cupcakes, caixas de presente, etiquetas, sapatos, pastas de escritório, sacolas de papel, confecção de brindes, quebra cabeças, brinquedos,  cartonagens, envelopes, peças técnicas, juntas, facas automotivas, viseiras, embalagens de flores, etc. Também podem ser cortados materiais de espessuras variadas, necessitando apenas da faca adequada para cada corte.

Existem dois tipos de máquinas de corte e vinco: tipográficas e de calandra. As tipográficas, também chamadas de “boca de sapo”, abrem como a boca do anfíbio e a faca – que é fixa – é instalada em um dos lados e as folhas a serem cortadas  são colocadas do outro lado. A cada fechamento e abertura ocorre o corte de uma folha. Esse tipo de equipamento é o mais utilizado pelas gráficas em virtude de sua grande produtividade e pelo excelente grau de precisão dos cortes e vincos.  O maior inconveniente é o seu alto custo e a necessidade de um profissional muito experiente para operá-lo. Já as do tipo calandra, são dotadas de rolos entre os quais as facas – que são móveis – e seus materiais a serem cortados entram, para serem pressionados entre esses rolos. Trata-se de um processo mais rudimentar, mais muito bem aceito pelo baixo custo dos equipamentos, pela facilidade de utilização e pela grande variedade de tamanhos disponíveis, tanto de acionamento manual como elétrico, com e sem automação.

As larguras mais comuns dos equipamentos corte e vinco tipo calandra são de 30 a 80 cm, mas podem ser produzidas desde máquinas de mesa pequenas e portáteis, com 15 x 50 cm de área de corte, destinadas a ateliês, a grandes equipamentos industriais que vão até 200 x 300 cm de área de corte. Os interessados em alta produção e delicada precisão nos cortes, que optarem por máquinas do tipo ‘boca de sapo’, precisarão ter muita atenção na escolha do equipamento, especialmente os usados, pois seu custo de manutenção é muito alto, além de serem máquinas pesadas e de difícil transporte. Já as máquinas de corte e vinco tipo calandra são mais leves e podem ser desmontadas para passar por portas e até subir por elevadores, havendo disponibilidade também de modelos dobráveis que podem ser guardados em locais onde não atrapalharão quando não em uso. Modelos manuais, acionados por manivelas e destinados a produções menores não produzem ruídos, podendo ser utilizadas em qualquer local.  Modelos elétricos produzem um ruído baixo,  que quase não será notado em um outro ambiente. Não produzem vibrações, nem cheiro ou fumaça e podem ser instaladas em locais residenciais comuns sem necessidade de nenhuma adaptação ou aterramento.

O sistema também possibilita o aumento significativo da gama de produtos quando combinado à impressão, que pode ser digital, offset, serigrafia, etc., devendo-se apenas tomar o cuidado de verificar se a tinta está totalmente seca e observar o registro na hora do corte, já que as máquinas tipo calandra – mais utilizadas – não têm o registro de corte tão preciso. Dependendo do produto, se este exigir um grau mais alto de precisão, é mais aconselhável fazer a impressão após o corte.

Os cuidados com as facas – que são encomendadas e confeccionadas de acordo com a necessidade para cada aplicação – também são bem simples. Basta que sejam armazenadas em local seco e com as lâminas protegidas de impacto e umidade que duram muito tempo, podendo chegar a 5 mil batidas, dependendo do material utilizado na confecção das mesmas e do material cortado. Materiais abrasivos, como lixas, por exemplo, reduzem a vida útil das facas, que também podem ser reafiadas de tempos em tempos.

Com valores que iniciam em torno de R$ 1500,00 para equipamentos de mesa, o sistema de corte e vinco pode ser uma excelente oportunidade para empreendedores diversificarem sua gama de produtos e driblarem a crise!

Agradecimentos: Flockcolor – www.flockcolor.com.br e Polymak – www.polymak.com.br

 

Author

sousa@oserigrafico.com
Tire suas duvidas aqui