0 Comments

Hajime Otsuka hajimeotsuka@yahoo.com.br

– Utilizar a técnica de silk screen em: plástico de PVC, polietileno, policarbonato ou polipropileno.
Ex.: sacolas, banners, faixas, pastas, painéis de eletrodomésticos, eletrônicos, tambores, tanques.
– Ao imprimir colorido, separar uma arte para cada cor, e fazer uma tela para cada cor, a impressão segue o mesmo.
– Quando o desenho apresentar cores chapadas e juntas, fazer sobreposição, com a cor mais escura em cima da mais clara. Somente em caso de tinta de transparente, fazer justaposta, lado a lado.
– Em plástico branco e colorido, utilizar impressão legível.
– Em plástico transparente, utilizar impressão ilegível, pela parte de trás. Sempre aplicar um fundo branco para que o desenho se destaque mais.
– Em plástico com pintura texturizada ou escura, usar nylon ou poliéster mais aberto. Já em plástico mais claro e liso, usar tecido mais fechado.
– Usar emulsão base de solvente, com sensibilizador bicromato e diazo (usar lâmpada de UV para diazo).
– O tipo de tinta mais utilizado neste material é: epóxi, vinílica brilhante e fosca. É indicado fazer um teste antes de colocar em produção, verificando a cobertura, a fixação da tinta e a secagem.
– Plástico de polietileno e polipropileno devem ter tratamento corona, pois sem este tratamento a tinta não apresenta aderência. Este tratamento tem uma validade, consultar o fabricante do material plástico. Consultar a tinta correta para o material onde vai imprimir, sempre com orientação de um técnico.
Ex.: banners, pastas, faixas e sacolas.
– Impressão em plástico injetado e soprado, deve ser flambado com fogo, para a tinta ter uma aderência. A flambagem requer um tempo para passagem da tinta, consulte sempre o fabricante da tinta, linha de produtos e frascos em geral.
– Quando a tinta começar a secar muito rápido na matriz, usar solvente retardador. Utilizar um equipamento para fazer a mistura da tinta e do solvente, este procedimento melhorará a qualidade da impressão.
– Ao imprimir peças planas, usar garra comum, ou regulável.
– Ao imprimir peças curvas (ex.: baldes, frascos, tambores), usar máquina semiautomática ou automática.
– Ao imprimir em tambor plástico e painel com uma curvatura muito grande, fazer manualmente quando for em pequenas quantidades. Já em grandes quantidades, contratar uma empresa especializada. A Shopping Screen é um exemplo de empresa especializada em matrizes curvas.

– Ao imprimir painel plástico injetado, fazer um gabarito de aço, ou de material mais firme tipo durepox.
– Só embalar o plástico quando este estiver totalmente seco, seguindo sempre a orientação do fabricante da tinta.
– Para cores especiais da escala Pantone, misturar entre as cores que o fabricante oferece no catálogo. Peça orientação a um técnico. Algumas empresas preparam diretamente na cor da escala Pantone, porém exigem uma quantidade mínima e envolve um prazo diferenciado.
– Fazer o registro no material que vai imprimir, com pequenos pedaços de fita, ou material mais rígido, utilizando uma ou mais cores.
– Deixar um “fora de contato” entre a matriz e o material na hora da impressão. Para matriz pequena, deixar altura de uma moeda. Quanto maior a matriz, maior será o fora de contato, e quanto mais esticado estiver o tecido, menor será o fora de contato.
– Puxar o rodo de uma só vez, com inclinação de 45º a 60º. Não passar duas vezes, pois poderá engrossar o desenho ou borrar. Cobrir em seguida de leve, sem forçar o rodo.
– Fazer a regulagem do rodo no equipamento para que a impressão não tenha falha.
– Sempre faça uma peça-piloto para apresentar ao cliente, a fim de obter aprovação, e apenas após aprovado colocar em produção. Este procedimento evitará o risco de perder material por ter feito algo errado.
– Estas pequenas dicas ajudarão a errar menos e obter um bom trabalho.
Sucesso para todos!

Tire suas duvidas aqui