Jornal O Serigráfico

1) O produto deve ser preparado na hora do uso, usando 3% do redutor para a quantidade de Base desejada (exemplo 1,5 g de redutor para 50 g de Base).

img_0388  img_0389  img_0390
2) Aplicação da base + redutor na matriz para dar um fundo na imagem e promover a corrosão, o que permite a melhor ancoragem das outras tintas e maior vivacidade de cores, além do toque suave.

img_0395    img_0397
3) Deve-se fazer a secagem intermediária com flash cure ou soprador térmico (no caso utilizamos soprador por ser apenas uma peça). Nesse passo, fizemos também a rongeabilidade (secagem mais intensa onde aparece claramente o processo de corrosão) em uma pequena parte, para mostrar o efeito do produto. Repare a diferença de cor do peito, próximo ao pescoço para o restante da imagem

img_0398
4) Devem ser aplicadas as outras cores com suas respectivas matrizes, sempre realizando a secagem intermediária com flash cure. Aqui usamos soprador térmico, apenas para secar ao toque. Aplicamos primeiro o tom de pele mais claro e depois o tom de pele mais escuro.

img_0401    img_0402

img_0404    img_0406
5) Em seguida, aplicamos os outros tons mais localizados. Utilizamos verde, roxo e pink, todos flúor.

img_0409   img_0410

img_0413    img_0415

img_0420    img_0421
6) Para finalizar, a peça foi para a estufa para que o processo de rongeabilidade fosse finalizado e a peça secasse, proporcionando a vivacidade das cores típica do processo.

img_0424
7) Resultado final: uma peça com alta vivacidade de cores, tons especiais e toque suave, proporcionando um dos mais altos valores agregados dos processos serigráficos.

 

img_0426

Comente: