Jornal O Serigráfico

A curiosidade tanto pode ser considerada um defeito como uma qualidade, dependendo do contexto e intensidade onde for aplicada. Mauricio Donizete Chiogna, paulista, neto de italianos, ingressou no mundo artístico por possuir esta característica. Na infância, a irmã de um amigo namorava um desenhista profissional que incentivou o amigo a desenhar, montando inclusive em sua casa uma prancheta para este fim. Com isto, era comum, ao visitar o amigo, Mauricio se deparar com este sentado em frente à prancheta desenhando. Curioso que era, decidiu experimentar esta atividade que tanta atenção consumia seu amigo. Pegou uma folha de papel e desenhou uma flor que estava na janela. Começava ali sua paixão pela arte de desenhar.
Anos mais tarde, outro amigo, ao observar Mauricio desenhando, o convidou a ir a uma agência de propaganda onde trabalhava, e Mauricio, ao ser questionado por um profissional da agência sobre se sabia usar um tira-linha — instrumento utilizado para realizar traços mais finos com precisão —, por timidez não negou e apenas solicitou algumas informações sobre o uso, e neste mesmo dia conseguiu concluir uma arte final em papel Schoeller, sem nunca antes ter usado aquele instrumento.
Percebia-se ali que Mauricio seria um grande artista, e para tanto buscou se aperfeiçoar. Passou a frequentar a Escola Contemporânea de Artes, onde teve o privilégio de aprender com o professor Eunibaldo, a quem chamava grande mestre.
Já ingressado no ramo artístico, conheceu a serigrafia e a xilogravura através do artista plástico Marcel Alves e aprimorou técnicas de pintura com o artista Oscar Pardini.
Mauricio, além de pintar telas, passou a fazer esculturas, orientado pelo professor de arte e hoje aposentado Zeca, que se tornou seu grande amigo.
Sua jornada na arte continuou cada vez mais acentuada. Na década de 80, trabalhou em notáveis agências de publicidade, entre elas a Publician Propaganda e a Norton Publicidade, hoje pertencente ao Grupo Publicis, e na época considerada a 5ª maior agência do Brasil.
Foi nesta época que Mauricio inaugurou seu próprio atelier, dedicado às artes da serigrafia, e se tornou membro fundador da Associação dos Artistas de Diadema – AAD, tornando-se mais tarde presidente.
Enquanto sua vida coorporativa alavancava, sua vida pessoal passava por mudanças, determinando que Mauricio ficasse com a guarda da filha de 2 anos após a separação. Com isso, foi necessário se afastar das agências, que demandavam grande parte de seu tempo e, fazendo da dificuldade uma nova habilidade, deu início à fabricação de pôsteres e cartões em serigrafia, partindo mais tarde para camisetas e mochilas.
Tempos depois, o destino exigiu novas transições. Ao se envolver em um acidente de carro e ter que se afastar do trabalho, Mauricio teve a oportunidade de fazer um curso de informática, onde se especializou no software Corel Draw.
Em sua vida, mudanças sempre significaram vitórias, e quando a mudança foi geográfica não foi diferente. Ao se mudar para São Bernardo do Campo, onde mora até hoje, comprou uma plotter de recorte e uma impressora Roland de 1,60m, que agregou qualidade a seus trabalhos, e conheceu Edgar Palombo, que se tornou grande fornecedor de material para comunicação visual, atribuindo condições para fundar a Bom Sinal.
Hoje já soma mais de 16 anos de sucesso nesta empresa especializada no setor de comunicação visual, onde busca sempre estar atualizado neste mercado de constante expansão.
As obras de Mauricio passaram por mais de 300 exposições, mas foi na década de 90 que suas obras ficaram mais tempo expostas. Dentre as exposições, se destacam: Expo Arte do Colégio Sagrado Coração de Jesus, VIII Exposição Contemporânea da Escola de Artes Contemporânea, 2º Expo Arte – ESCJ, 1ª Semana de Arte Moderna – Ginásio Estadual de Vila Coroa, 1º Salão de Arte Contemporânea da Associação dos Artistas Plásticos de Jundiaí, Exposição do Mobral de Jacareí, Exposição Guarujá, Exposição COE – Centro de Orientação Estudantil, Sala de Arte do SESC – Pompéia, com a 1ª Exposição individual de Pintura e lançamento do livro de poesias “Nós”, 1ª Exposição de Serigrafia (gravuras) SPBC USP de SP, Exposição na Bienal Nacional, Exposição – 1º de Maio Praça da Sé e SBC, Espaço Cultura Ana Rosa, Exposição – Encontro Estadual do PT SP, Exposição – Praça da República – Feira de Artes, Exposição – Assembleia dos Professores de Estado de SP, Exposição – Rolling Stones – Pacaembu, Exposição – Dia da Mulher – Praça Ramos, Exposição – Assembleia dos Professores, Exposição – CMP – Brasília, Exposição – Sindicato dos Químicos SP e em várias faculdades e cursinhos, como por exemplo o Anglo Vestibular de São Paulo.
www.bomsinal.com.br

Por Mara de Paula Giacomeli

Comente: