Jornal O Serigráfico

Você deve dizer ao menos um deles por dia sem se dar conta, visto que já fazem parte da nossa linguagem e do nosso dia a dia. Os ditos populares têm alto poder comunicativo e vão transpondo de geração em geração sem sabermos ao certo de onde e quando surgiram ou quem os inventou.
E não somente o Brasil, mas outros países também fazem uso dessas expressões.
Na Alemanha, é comum ouvir: “Die Rattencverlassen das sinkende Schiff”, traduzindo: “Quando um navio está afundando, os ratos são os primeiros a pular fora”.
Significando que, quando uma situação não está dando certo, os egoístas são os primeiros a fugir.
Já a Inglaterra usa um ditado que faz referência à obra do antigo vizir (primeiro-ministro) do Egito, Ptah-Hotep.
“All work and no play makes Jack a dull boy”, na tradução:” Muito trabalho e pouca diversão tornam Jack um menino aborrecido”.
Fazendo alusão àquele que trabalha demasiadamente e não dedica tempo ao seu divertimento. Com certeza esta pessoa será uma pessoa aborrecida.
Os suecos usam: “Det finns inget dåligt väder, bara dåliga kläder” —
“Não existe tempo ruim, mas, sim, roupas ruins”, para declarar
que tudo na vida é uma questão de adaptação.
No Brasil, há uma infinidade deles, se fôssemos citar todos aqui, não caberiam nesta página, mas vamos citar alguns, “antes tarde do que nunca.”
Logo ao acordar, você pode nem dizer, mas com certeza já pensa em um: “Deus ajuda quem cedo madruga”. É mais fácil conseguir pular da cama pensando desta maneira.
E lá vai você para mais um dia de trabalho, certo de que “para frente é que se anda” e “devagar se vai ao longe”. “De grão em grão a galinha enche o papo” e você vai ter aquela promoção que sempre quis.
Por volta do meio-dia, é hora de almoçar, afinal “saco vazio não para em pé”.
Ao longo do dia, você não vai perder a oportunidade de pedir um aumento a seu chefe, “quem não chora, não mama” e “quem não arrisca não petisca”.
Ao se encontrar por acaso com aquele seu velho amigo que não via há tempo ,você com certeza vai dizer a ele em meio a um abraço: “quem é vivo sempre aparece”.
Você pode ganhar um presente que não gostou, mesmo assim vai agradecer, porque “cavalo dado, não se olha os dentes.”
E se alguém fez mal a você, não se preocupe, pois “um dia é da caça, outro do caçador”. E um dia ele vai pagar por isso, “aqui se fez, aqui se paga”.
Mais um dia se passou e quantos ditos populares você falou? Algum não teve boa aceitação? Melhor pensar duas vezes antes de dizer, pois “quem fala o que quer, ouve o que não quer”. “A palavra é de prata , mas o silêncio é de ouro.”

“Vamos em frente que atrás vem gente”. Vamos juntos, “a união faz a força”, e sem pressa, pois “a pressa é inimiga da perfeição” e “amanhã é um novo dia”.

Mara de Paula Giacomeli é jornalista e editora do Jornal O Serigráfico.

Comente: