Jornal O Serigráfico

 

Sempre que observamos a natureza, a maneira como todo o ecossistema convive em harmonia e em perfeita sincronia, percebemos que é de lá, que é com cada planta, cada animal ou cada mineral que devemos aprender lições para nossa vida cotidiana…

Se você observar o bambu, uma planta que lhe parece frágil num primeiro momento, poderá concluir que para sobreviver ante às adversidades, é preciso flexibilidade… O bambu cresce e se torna uma das plantas mais altas da mata, de maneira que fica desprotegido dos fortes ventos das tempestades. Mas quando elas vêm, ele se dobra diante da soberania da natureza e, assim, resiste, segue firme sua jornada de crescimento.

Suas raízes, construídas durante seus primeiros cinco anos de vida, cresceram vertical e horizontalmente, dando-lhe a sustentação suficiente para que, na tempestade, ele tivesse a força necessária para não sucumbir a ela.

Segundo o IBGE, seis em cada dez empresas fecha antes de completar 5 anos… Isso significa que, antes de colocar “seu nariz pra fora”, você deve alimentar suas raízes e fazê-las crescer. É essa a base que te dará sustentação para a crise. E se nos momentos difíceis, diante das crises – sejam elas econômicas, políticas ou mesmo pessoais – nos comportarmos como o bambu, certamente teremos mais chances de superá-las. É preciso jogo de cintura, criatividade e uma dose extra de perseverança para driblar os efeitos danosos de uma crise e continuar crescendo.

Seja como bambu, pois como diz um ditado chinês, “não há que ser forte. Há que ser flexível”.

 

Patricia Sousa

Comente: