Coluna

Se ninguém fala…

0

Passaram pelas avenidas do país os blocos populares e a nossa pátria tão distraída continua sendo subtraída. E, como em todos os anos, o Brasil só entra no ritmo após o carnaval, ritmo esse que deverá ser pautado por muito trabalho e uma dose cavalar de sorte. Só assim poderei realizar todos os meus sonhos de consumo a começar por trazer de volta ao país todo o dinheiro que depositei ilegalmente no exterior. Só vou pagar um pouquinho de imposto e fica tudo legal mesmo tendo a comprovação que esse dinheiro foi fruto de remessas sem origem declarada. Mas fazer o que, né? Se o que era ilegal ficou legal, legal! Como já resolveram isso para mim, o meu sonho não estará completo se eu não vender a minha pequena e modesta empresa por pelo menos cinco milhões para uma empresa de telefonia.
Ah! Quero ainda montar uma empresa de marketing esportivo e produzir todos os meu relatórios de assessoria tendo o maior trabalho para procurar o textos na Wikipedia e outras fontes disponíveis na internet. Isso é que é sorte! Ufa, que trabalho! Mas dá bons resultados, pois um relatório como esse vale muito dinheiro e conheço empresas interessadas em pagar uma grana alta. É claro que também com muita sorte e muito trabalho pretendo conseguir algumas construtoras que me paguem regiamente pelas minhas palestras, apesar de não ter estudado para isso, mas eu sou muito bom e acredito na minha capacidade. Creio que possa ganhar uns vinte e sete milhões em pouco tempo. Com sorte e muito trabalho posso fazer muita coisa, mas o meu maior sonho de consumo é ser proprietário de um tríplex, isso mesmo, com acento agudo e tudo no Guarujá. O meu tríplex tem que ter elevador privativo porque não gosto de ser incomodado pelos vizinhos. Com sorte posso arrumar uma parceria legal junto a uns amigos empreiteiros para cuidar disso. E claro, com um tríplex na praia vou precisar de um sítio. Penso em contar com a sorte mais uma vez e vou trabalhar muito juntos aos meus amigos para conseguir. Só faço questão de uma coisa: tem que ser em Atibaia. A reforma e tudo o mais não me preocupa. Posso trabalhar bastante para algumas construtoras e conseguir uma permuta.
Ainda tenho um potencial elevado para ganhar dinheiro, é claro que com muito trabalho e muita sorte, pois sou a alma mais honesta desse país. Sei que tem uma empresa petrolífera disposta a pagar por um contratinho aqui, outro ali… E é muito dinheiro mesmo, uma verdadeira mina. Tenho vários amigos que podem me ajudar a conseguir mais essa proeza financeira. Mas de repente eu acordo e vejo que o carnaval realmente já passou. Preciso trabalhar muito mesmo porque tudo o que eu imaginei para mim alguém já fez. Os meus sonhos foram por água abaixo, mas está tudo bem. Descobri que o Brasil, assim com os Estados Unidos, é o país das oportunidades, mas nunca na história desse país as oportunidades foram tantas para tão poucos. Nem sorte e nem trabalho e sim roubo mesmo. Só roubando eu conseguiria conquistar tudo o que imaginei e em tão pouco tempo. Desisti, pois alguém já fez tudo o que imaginei sem trabalhar.

Sinval Lima
sinval@brisk.com.br

Biodiversidade: reflita, reutilize e reorganize-se

Anterior

Especialista Frank Romano dá grande aula no Brasil sobre a indústria de impressão

PRÓXIMO

Você pode gostar

Coluna

A NOVA REALIDADE DO E-COMMERCE NO BRASIL.

Para existir no mundo dos negócios é fundamental estar na internet. O  último relatório anual do e-commerce, divulgado pela Associação Brasileira de Comércio Eletrônico ...
Coluna

Se ninguém fala…

A mentira aprisiona. Você pode enganar alguém por algum tempo, mas o próprio tempo se encarrega de trazer a verdade à tona. Quando ...

Comentários

Comments are closed.

Mais em Coluna